Escola desenvolve primeiro projeto que faz parte da Escola em Tempo Integral

A Prefeitura de Limeira, por meio da Secretaria de Educação, está tornando realidade a escola em tempo integral. Este ano, a Emeief Professor José Paulino Araújo Vargas, foi inserida no projeto da escola em tempo integral e já começou a desenvolver um trabalho de sustentabilidade com os alunos dos 2º e 3º anos do período da manhã e 4º e 5º anos do período da tarde, com resultados satisfatórios.

De acordo com a coordenadora do projeto, Judith Helena Caran, todo o conteúdo do projeto está atrelado às disciplinas do currículo e foi possível envolver a maior parte delas, por exemplo, geografia, ciências, artes e língua portuguesa. O objetivo, segundo ela, foi trabalhar as questões que envolvem a convivência, cidadania, valores e socialização dos alunos.

“Isso possibilitou conhecermos melhor os alunos, principalmente aqueles que possuem mais dificuldade de aprendizagem e estão em situação de vulnerabilidade”, declara.

A diretora reitera o objetivo e a possibilidade do projeto de motivar os alunos e trazer a comunidade para a realidade da escola.“Está sendo bastante positiva a motivação dos alunos, além de despertar a responsabilidade dos pais com a questão de horário e disciplina para as aulas do projeto”, diz.

O projeto de sustentabilidade foi o primeiro a ser desenvolvido pela escola, começou no mês de março e terminou agora no mês de maio. Judith Helena explica que a rotina da escola mudou totlamente com a implantação do projeto. “Estamos muito felizes com o resultado, agora, vamos nos preparar para o próximo projeto”.

COPA

O próximo projeto aproveitará o clima da Copa. Por isto a escola trabalhará o tema “Todas as cores do mundo” em homenagem ao evento. “Nosso objetivo é trabalhar a diversidade com as crianças”, disse a coordenadora.

Jornalista: Vanessa Ferreira

Créditos: Divulgação

IMG_1862 IMG_1759 IMG_1804

 

 

Tomaram posse os novos conselheiros da educação

A Prefeitura de Limeira, por meio da Secretaria da Educação, realizou a cerimônia de posse dos 24 novos membros do Conselho Municipal da Educação de Limeira, para o biênio 2014-2015. O secretário da educação, José Claudinei Lombardi, empossou os novos membros na última sexta-feira, 23 de maio.

A função do conselheiro é estabelecer diretrizes em tudo o que diz respeito às escolas da rede pública municipal e da rede pública estadual da educação. É também de responsabilidade do conselho, fiscalizar, colaborar e propor normas para aplicação de recursos públicos.

A presidente da última gestão do Conselho Municipal da Educação, Ana Terezinha Carneiro Naleto, elogiou o trabalho desenvolvido pelos conselheiros na última gestão e reiterou a importância dos trabalhos desenvolvidos pelo Conselho Municipal.“O nosso objetivo principal é discutir efetivamente as questões de educação do município”, declara.

O secretário José Claudinei Lombardi comentou que hoje, o Conselho está bastante maduro para desempenhar um papel importante em prol da educação.“O Conselho Municipal tem maturidade para dialogar as questões que envolvem as políticas públicas”, diz.

Lombardi falou também sobre as necessidades que precisam ser sanadas na educação do município, e algumas delas já estão sendo resolvidas, como: a universalização para as vagas em creche, ampliação da escola em tempo integral e construção de novas creches. “Eu continuarei buscando a construção de uma educação pública, gratuita e de qualidade para as nossas crianças”, frisou.

O Conselho Municipal da Educação de Limeira completará 18 anos de existência neste ano.

 

Jornalista: Vanessa Ferreira

Crédito: Michele Pampanim

DSC_2897a DSC_2906a DSC_2955a DSC_2960a

 

Prefeito nomeia novos conselheiros do Fundeb

A Prefeitura de Limeira, por meio da Secretaria de Educação, realizou nesta quinta-feira, 22 de maio, na Sede dos Conselhos, a posse dos 10 novos conselheiros do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação), que irão compor o Cacs-Fundeb (Conselho de Acompanhamento e Controle Social) para o biênio 2014 -2015. O prefeito Paulo Hadich, acompanhado do secretário José Claudinei Lombardi, empossou os novos conselheiros.

Os conselheiros têm a função de fiscalizar e acompanhar a prestação de contas do recurso que é sacado pelos municípios de acordo com o número de alunos. Parte do Fundeb, 60%, é utilizado para a folha de pagamento dos professores da rede municipal. O restante vai para a manutenção e valorização dos profissionais.

O prefeito Paulo Hadich destacou a importância dos conselhos, que além do papel de fiscalização, devem ter a compreensão das necessidades do município como um todo. “O nosso foco está na melhoria da qualidade da educação. Nesse sentido, o conselho tem um papel muito importante para um olhar mais abrangente sobre as necessidades”, diz.

Ainda de acordo com Hadich, o Fundeb é importante para os municípios no que diz respeito à contribuição que o recurso proporciona à cidade e principalmente para a educação. “É possível fazermos a ampliação dos atendimentos, oferecermos mais vagas em creches e também construirmos novas creches, além da prioridade da nossa gestão em transformar a escola em período integral uma realidade.”

A Secretaria da Educação teve como representantes no Fundeb Maria Lucia Pinhata Silva e Sarah Sampaio O’Flaherty. Para representar as escolas públicas, os empossados foram os diretores de escolas da rede municipal Edgar Caldeira da Cruz e Tania do Amaral Gomes.

Jornalista: Vanessa Ferreira

Créditos: Michele Pampanin

DSC_2612a (1) DSC_2618a (1) DSC_2667a (1)

Concurso elege rei e rainha de beleza afro-brasileira

A Emeief Maria Madalena foi palco nesta terça-feira, 20 de maio, para o 2º Concurso de Beleza Afro-Brasileira, que elegeu o rei, rainha e príncipes da cultura afrodescendente da comunidade local. O evento contou com a presença do prefeito Paulo Hadich, e da presidente do Fundo Social, Deise Hadich, que participou como jurada dos desfiles dos estudantes da escola.

Ao todo, 30 estudantes, com idade entre quatro e dez anos, participaram do concurso. O objetivo é valorizar a diversidade presente na comunidade, e envolvê-la nos eventos realizados pela escola. Pais de alunos, bem como membros do conselho da escola estavam presentes.

“O mais interessante é que eventos como este nos ensinam muito. Ensina que a gente deve ser amigo um do outro, ser bondoso e acima de tudo lembramos que temos direitos iguais. Além de lembramos do respeito. Respeito que devemos ter pelos professores, pais e colegas”, ressaltou a Deise.

O concurso foi dividido nas categorias masculino e feminino e elegeu as três melhores colocações. Os critérios analisados foram beleza, simpatia e presença de palco, entre outros. Para a rainha do concurso, Milena Ferreira dos Santos, 10 anos, a diversidade foi o tema principal do concurso. “Eu gostei, pois foi mostrado que a gente não deve ter preconceito”, comentou.

“Somos diferentes de várias formas e precisamos entender que ser diferente é normal. Na verdade, precisamos aprender a exercitar nossas diferenças. Toda equipe que contribuiu com este evento está de parabéns”, destacou o prefeito Hadich.

Além do concurso, os alunos assistiram à apresentação do hino da África, cantado por Cleusa dos Santos, membro do Movimento Negro de Limeira e jurada do concurso.  Uma apresentação com fantoches também foi realizada para os alunos presentes. No período da tarde, o concurso contou com a presença da conselheira do Fundo Social, Denise Lima.

Para o segundo colocado, João Pedro Carvalho, 8 anos, o desfile foi uma oportunidade para mostrar seu talento. “Foi legal desfilar e ver todo mundo batendo palmas pra mim”, salientou o aluno.

A primeira edição do concurso foi realizada na escola em 2012. A Emeief Maria Madalena atende atualmente 648 alunos e está instalada no Jardim Santina. A escola ainda aproveitou a ocasião para entregar a doação arrecadada para a Campanha do Agasalho.

 

Jornalista: Liandra Santarosa

Créditos: Gustavo Martins

DSC_1612a DSC_1714a DSC_1776a DSC_1780a DSC_1809a DSC_1812a DSC_1828a DSC_1859a

Creches: ampliação de vagas e atendimento com qualidade

José Claudinei Lombardi[1]

No dia 10 de maio, a Prefeitura de Limeira, por meio da Secretaria Municipal da Educação, fez o lançamento da primeira de várias creches, localizada no Bairro Manoel Simão de Barros Levy. Com nove creches aprovadas pelo Governo Federal, o objetivo principal da administração municipal é eliminar os déficits de vagas, com o atendimento das famílias que mais precisam de creche pública.

Sobre esse polêmico tema, como secretário municipal da educação, tenho buscado frisar algumas necessidades e obrigações do poder público, não deixando, porém, de lembrar que também as famílias, os empresários e a sociedade têm responsabilidades em relação à formação e educação das crianças, adolescentes e jovens.

Numa série de cinco artigos, publicados ao longo de 2013[2], busquei esclarecer os diversos aspectos relacionados à construção de uma educação pública, gratuita e de qualidade, particularmente no que diz respeito ao atendimento em creche. No primeiro artigo coloquei foco nas profundas transformações econômicas, sociais e políticas em curso na sociedade contemporânea, mostrando como estas afetam a dinâmica populacional, resultando no envelhecimento da população brasileira – com redução da população infantil e ampliação da terceira idade.

Num segundo artigo aprofundei a análise dos dados demográficos, expondo as taxas de crescimento nas faixas etárias abrangidas pela educação básica, comparando com o crescimento do atendimento educacional. É patente que Limeira universalizou o atendimento em pré-escola e para as séries iniciais (1ª. a 5ª. série) do ensino fundamental. Entretanto, aqui persiste déficit no atendimento de crianças até três anos de idade. Apesar da redução do crescimento da população infantil e do significativo aumento na oferta de vagas, ainda há necessidade de ampliação da rede de atendimento em creche.

No terceiro texto aprofundei a análise sobre a educação pré-escolar e que abrange a população de 4 a 6 anos de idade. Mostro que o crescimento da oferta de vagas para esse nível foi suficiente para universalizar o atendimento. Sabemos, porém, que precisamos de análises mais profundas para aprofundar os estudos sobre essa ampliação e, principalmente, para aferir se ela se deu com melhoria na qualidade da educação infantil.

Na quarta parte centrei a atenção sobre um tema complexo e controvertido: a legislação educacional. Normalmente se recorre aos termos do artigo 227 da Constituição Federal e que estabelece a corresponsabilidade da família, da sociedade e do Estado em assegurar à criança seus direitos, inclusive de educação. Mas é preciso atentar para o Art. 208 da lei magna consagra garantias de educação básica obrigatória e gratuita a todas as crianças e jovens, dos 4 (quatro) aos 17 (dezessete) anos de idade.

No último artigo iniciei recolocando a questão legal, pois para os filhos de pais trabalhadores, urbanos ou rurais, a garantia legal é mais complexa e ampliada, não eximindo as empresas de suas responsabilidades. O Art. 7º. da Constituição determina assistência gratuita aos filhos e dependentes de empregados, até que cheguem à idade de 05 anos. Relembro que o direito a creche foi conquistado com o Decreto-Lei no. 5452, de 1º. de maio de 1943, estabelecendo que os estabelecimentos em que trabalhem, pelo menos, 30 mulheres com mais de 16 anos de idade devem possuir local apropriado para guarda, vigilância e assistência, dos filhos no período de amamentação. Esse direito foi ampliado em muitas empresas que acabaram cedendo às pressões das mães trabalhadoras, criando creches (ou pagando bolsas) para o atendimento dos filhos das funcionárias, juntamente com a concessão de planos médicos, vales-alimentação e outros benefícios diferenciais.

Constatado a carência de vagas em creche, qual o encaminhamento que a administração municipal tem dado ao problema? Buscamos adotar, simultaneamente, dois encaminhamentos: 1) os estudos sobre o perfil das famílias que demandam por vaga e que resultaram no Programa “Creche com Fila Única”; 2) a realização de estudos estatísticos que possibilitem a projeção das necessidades de construção de novas unidades de educação infantil.

Já no inicio da atual gestão, em vista da elevada quantidade de cadastrados esperando por vaga em creche, detectamos a ocorrência de duas situações impactantes: por um lado, a ocupação de vagas em creche por crianças cujas famílias, rigorosamente, se eximiam da responsabilidade dos cuidados com seus filhos ainda bebês e que, por isso, precisavam dos cuidados e atenção formativa dos pais; por outro lado, o cadastro informatizado (um banco de dados) possibilitava múltiplas entradas das informações, haviam muitas crianças cadastradas mais de uma vez no sistema informatizado de controle das vagas. A solução foi a adoção de medidas que estabeleçam critérios para a ocupação das vagas e o estabelecimento de um único e centralizado sistema de controle das informações.

Nessa direção, em janeiro, deste ano, foi publicado o decreto de nº 32, na edição de quarta-feira, 29 de janeiro, do Jornal Oficial do Município, que estabeleceu que o Programa “Creche com Fila Única” idealizado pelo atual governo, fizesse a adequação dos cadastros já existentes, por meio do recadastramento. O objetivo dessa adequação foi atualizar os cadastros e também estabelecer critérios para a demanda de vagas, sendo o primeiro deles o atendimento prioritário de famílias com vulnerabilidade social.

Mesmo estando sob judice, penso que esse Programa é uma medida técnica necessária para o estabelecimento dos critérios e centralização do cadastro único de demanda por creche. A solução para a falta de vagas é óbvia: ou a ampliação da oferta de vagas pela terceirização do atendimento (Bolsa Creche) ou através da construção de novas unidades escolares. Como politicamente defendo que a educação é um direito do cidadão e um dever do Estado – expressa na bandeira de luta por uma educação pública, gratuita e competente – a solução é ampliar as vagas pela construção de novos Centros Infantis (CIs). Em vista da limitação orçamentária para as obras que se fazem necessárias, não se pode prescindir do suporte dos governos estadual e federal para o financiamento da construção e aquisição do mobiliário necessário.

Até o presente momento, com a Secretaria da Educação do Governo do Estado de São Paulo foi aprovado apenas um projeto de construção, no bairro Morada das Acácias. Com o governo federal, através do Programa Proinfância Ministério da Educação, foram aprovados nove novas creches. As cinco primeiras, integrando o Plano de Ações Articuladas (PAR) de 2012, completado e encaminhado em 2013, estão localizadas nos seguintes bairros: residencial Manoel Simão de Barros Levy, Jardim residencial Roseira, Geada, residencial Village e no residencial Belinha Ometto. As outras quatro foram aprovadas entre o segundo semestre de 2013 e neste inicio de 2014, e serão localizadas no Jardim Santina, Jardim Ibirapuera, Parque Hipolitto e no Parque Residencial Alto dos Laranjais.

Cada uma das creches tem capacidade para atender 120 crianças em período integral ou 240 crianças em período parcial. A construção da creche quebra um jejum de mais de 10 anos sem a cidade receber investimentos do governo federal. A previsão, com a conclusão das creches, é que a demanda por vagas seja zerada.


 

Prefeitura de Limeira retoma obras da Major Levy

A reforma na Emeief Major José Levy Sobrinho foi reiniciada nesta semana, após nove meses de interrupção. A Prefeitura de Limeira cancelou o contrato com a empresa vencedora da licitação e as obram foram retomadas pela segunda colocada, a empresa R. Maluf. A unidade escolar deve ser entregue até o final deste ano e as obras totalizam o valor de R$ 1,662 milhão.

Segundo a Secretaria Municipal de Serviços Públicos, 25% dos trabalhos já foram concluídos pela primeira empresa. O projeto inclui reforma e ampliação do prédio, bem como a construção de um novo local administrativo. Os funcionários do local dão sequência ao tempo perdido, realizando a limpeza da área, instalando a parte elétrica e rebocando a estrutura da escola.

A obra finalizada proporcionará mais conforto para alunos e funcionários, com ambientes amplos e bem estruturados. O secretário da pasta, Marcelo Coghi, afirma que pretende entregar a escola pronta para os alunos voltarem já no próximo ano letivo. “Estamos fazendo o possível para agilizar o andamento da obra”, diz.

Felipe Caires – Estagiário de Jornalismo

Créditos: Michele Pampanin

DSC_8202a DSC_8203a DSC_8206a DSC_8213a DSC_8224a

Monitores da rede passam por processo de formação

A Prefeitura de Limeira, por meio da Secretaria da Educação, realizou no dia 14 de maio, a formação dos monitores do berçário 2, que fazem parte da rede municipal. A diretoria de formação conta que a escolha do título não foi por acaso. O objetivo, segundo os responsáveis pelo treinamento, com a afirmação “Os bebês vão à escola”, é enfatizar a importância do trabalho desenvolvido com as crianças de zero a três anos nas creches.

“Consideramos esse nível da educação escolar como segmento de ensino. Portanto, as creches são escolas e devem planejar e organizar o fazer pedagógico dirigido às crianças pequenas, levando em consideração as condições físicas dessa faixa etária”, explica a diretoria.

A diretoria de formação adianta que irão acontecer outros encontros de formação dos monitores da rede, ao longo do ano letivo.

Jornalista: Vanessa Ferreira

Créditos: Divulgação

1517586_720594787982303_3212417836522288683_n 10250066_720594757982306_5213694043497962100_n 10322801_720594721315643_8668638851751177469_n

Educação promove formação de diretores da rede

A Prefeitura de Limeira, por meio da Secretaria da Educação, está promovendo a formação dos diretores da rede municipal de ensino. Os encontros são quinzenais e acontecem às quartas-feiras, entre o mês de abril e agosto de 2014. Os assuntos tratados na formação têm o intuito de estabelecer diretrizes e metas quanto aos projetos pedagógicos e gestão administrativa de cada unidade escolar.

A coordenação da formação está a cargo da Divisão de Supervisão, sendo ministrada pelos Agentes de Desenvolvimento Educacional (ADEs) da secretaria, Adonai Cesar Mendonça, Ary Donizete Machado e Sandrine Cristina I. Rossini.

Jornalista: Vanessa Ferreira

Créditos: Divulgação

10257352_720568341318281_4487284873366454333_n 10290605_720568311318284_7873441722348386862_n 10373743_720568284651620_9162859384062632325_n

Limeira sedia novo encontro do projeto Todos Pelos Direitos, da Apae São Paulo

A Prefeitura de Limeira recebeu mais uma palestra do projeto “Todos pelos Direitos”, da Apae de São Paulo, que visa a defesa dos direitos da criança e do adolescente com deficiência intelectual. O evento foi realizado nesta quarta-feira, dia 14 de maio, no Teatro Nair Bello, na Secretaria de Educação, localizada no Parque Cidade de Limeira.

Participaram do evento a doutora em psicologia Rita de Cássia Kileber Barbosa e a assistente social Lilian Pinheiro da Cruz, ambas da Apae de São Paulo, a assistente social Uiara Walquíria Welk, da Apae Limeira, a assistente social Sirlene Maria de Oliveira, da Secretaria de Saúde, além de integrantes do Ceproson e da Secretaria de Educação. O evento contou ainda com representantes de diversos segmentos da sociedade civil.

Durante o encontro, foi discutida a estrutura de atendimento à pessoa com deficiência em Limeira, desde a atenção básica até os serviços de alta complexidade. Segundo Sirlene, a iniciativa tem sido positiva, no sentido de reforçar o vínculo entre os envolvidos na questão. “Estamos buscando o trabalho em rede, para melhorar o atendimento à pessoa com deficiência”, disse.

Para Uiara, o projeto é importante para o desenvolvimento de novas políticas públicas que atendem as pessoas com deficiência. “A união de várias cidades é vital para o fortalecimento das ações do projeto “Todos pelos Direitos”. Essa articulação trará benefícios tanto para os usuários da Apae quanto para seus familiares”, destacou.

Todos pelos Direitos

O projeto Todos pelos Direitos, da Apae São Paulo, é desenvolvido em 43 municípios de São Paulo e procura identificar situações de violência vivenciadas por essa parcela da população, além de promover a articulação de uma rede de defesa dos direitos e de propor políticas públicas para o setor.

A ideia para elaborar o projeto nasceu a partir da experiência da Apae de São Paulo, ao detectar que as pessoas com deficiência são mais vulneráveis à violência ou a violação de seus direitos, principalmente devido à dificuldade de verbalizar essas experiências.

Jornalista: Vanessa Ferreira

Créditos: Fabiano Costa

IMG_0593 1531929_720594014649047_895860202840445324_n (1) BLOG 15-05-14